terça-feira, 20 de outubro de 2009


Como já era de se esperar, anoiteceu e eu não preguei os olhos nem um segundo. O sentimento de culpa e de arrependimento tomou conta de mim de uma forma, que a minha maior vontade era sair correndo por aquela porta e dizer que tudo que eu disse foram apenas palavras cuspidas e que eu quero você de volta. Junto com seu abraço, seu beijo, seu amor.
Mas não. Eu sabia que eu era orgulhosa demais para isso. Fiz e falei coisas sem pensar e agora só me resta suas lembranças e aquela tua camisa com seu cheiro e nossas marcas.
Voltei a andar, agora pela casa. Sua escova de dentes ainda estava no armarinho do meu banheiro, junto com aquele teu perfume que eu simplesmente amo. Passando pela sala, hesitei em pegar o telefone e te ligar só pra ouvir a sua doce voz - seria covardia demais e no mesmo instante você saberia quem seria a única mulher com distúrbios que, após te mandar para fora lhe dizendo que seu amor já não bastava para mim, te ligaria de madrugada e ao invés de um Oi, diria Adeus.
Vesti aquela minha velha calça que você gostava e o all star azul surrado. Sai por aí, sem rumo.
Talvez em direção a você, talvez na direção oposta.

3 comentários:

  1. Mai um lindo texto seu! Ain amo o q tuh escreve nina!

    O final está ótimo :D aliás, tuuudoO está ! *

    ResponderExcluir
  2. Minhas noites são sempre assim. Pensando nele.... beijos

    ResponderExcluir
  3. muito, muito bom!
    brigas de casais sao angustiantes, e tristes pra qualquer apaixonado/a.
    lembranças torturam as vezes, mas ao mesmo tempo, confortam!
    mais uma vez, adorei o blog!

    ResponderExcluir